Desapego

Esse é um texto do meu blog antigo, mas o assunto é sempre atual.

Estava aqui lembrando de uma aula que eu tive no segundo período da faculdade e que me marcou muito porque parece que o professor falou diretamente pra mim. Era aula de Produção cinematográfica e a primeira coisa que ele fez foi colocar a palavra DESAPEGO no quadro (assim, bem grande). E aí começou a falar que no cinema a gente tinha que praticar muito isso porque não é sempre que vamos conseguir fazer tudo o que planejamos, ou tudo o que escrevemos no nosso roteiro. Mas pra mim a mensagem ficou além disso. Eu, como muitos de vocês, me apego às coisas e às pessoas. É completamente normal, vivemos em um mundo material, queremos tudo para nós mesmos. Mas precisamos praticar o desapego, pra conseguirmos viver melhor. É difícil. Demais. Mas não é impossível! A gente nasce, cresce e morre. Não possuímos nada, nem o nosso corpo. A vida é uma grande viagem, e cabe à nós saber aproveitá-la e percebê-la como tal.

Por isso solte, deixe acontecer. Segure o ciúme! Sua vida vai melhorar, vai evitar brigas, sofrimento, e se você deixar a pessoa amada (não to falando só de namorado/marido, mas também de amigos) livre, ela vai se sentir à vontade com você e vai voltar à você na hora certa. Ninguém é dono de ninguém. A gente só é companheiro um do outro nessa longa jornada que chamamos de vida. Acredito que estamos todos aqui pra aprender e evoluir, e quanto mais conseguimos nos desapegar, melhor.

Outra coisa também é o apego pelas coisas materiais. Como vivemos num mundo de matéria, é realmente muito difícil a gente se desapegar e ver que aquilo não é o que importa realmente. Sim, é ótimo ter uma casa confortável, roupas bonitas, um carro, etc., mas não é o essencial. Como escreveu uma vez Antoine de Saint-Exupéry:

le petit prince

“Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. “