Crítica: “(Dis)Honesty: The Truth About Lies”

Na Netflix tem todo tipo de coisa, e vários documentários interessantes. Um que assisti recentemente foi (Dis)Honesty: The Truth About Lies [em tradução livre: “(Des)Honestidade: A Verdade Sobre As Mentiras”], de Yael Melamede.

O documentário conta sobre a pesquisa de Dan Ariely, um economista que estuda o comportamento humano. Seu foco maior é na desonestidade, e como e por que o ser humano mente.

No doc, Dan e sua equipe conduzem vários experimentos para catalogar as formas como as pessoas mentem. Ao mesmo tempo, são exibidos vários depoimentos de pessoas que mentiram e sofreram consequências diversas por isso. E é tudo muito impressionante! A narrativa é muito bem desenvolvida, com várias explicações que deixam a gente pensando muito.

Gosto de documentários que me fazem pensar. E enquanto assistia a (Dis)Honesty, pensei muito no “jeitinho brasileiro”. A gente acha que é só aqui que as pessoas mentem e trapaceiam, mas as pesquisas são conduzidas em vários lugares e em todos são constatadas as mentiras. É uma coisa inerente ao ser humano, que a gente faz principalmente se vemos outras pessoas fazendo também. E é triste a gente ver o quanto isso é comum.

Fica a reflexão e a dica do filme!

Beijos, Helena.

Crítica: “A Bela e a Fera”

Depois de muita ansiedade pra ver o novo live action de princesas da Disney, finalmente chegou o dia de ir ao cinema pra ver A Bela e a Fera.

Emma Watson vive Bela, Dan Stevens é a Fera, Luke Evans é Gaston. Além disso, tem Ewan McGregor como Lumière, Ian McKellen como Horloge e Emma Thompson como Madame Samovar – que elenco de peso! Gostei muito das interpretações dos atores, que aceitaram o desafio de recriar um filme tão querido pelo público. Não preciso nem dizer que Emma tá maravilhosa né – e canta!

O roteiro é basicamente o mesmo do desenho: Bela acaba prisioneira no castelo da Fera em troca da liberdade de seu pai, que tinha sido preso por pegar uma rosa do jardim. Durante esse período, ela e a Fera se aproximam e se apaixonam. Gostei que tem mais sequências mostrando a aproximação dos dois do que no desenho.

Como o que aconteceu com Cinderela, o live action de A Bela e a Fera é bem parecido com a animação. Tem as mesmas músicas, com a adição de umas duas ou três para explicar algumas coisas que foram adicionadas ao roteiro, e até algumas falas são iguais.

Os efeitos especiais são bem feitos – se não fossem ia ser bem ruim, já que metade do elenco é animado. E os figurinos são incríveis – teve post sobre o vestido da Bela aqui. Acho que fiquei mais encantada com o visual do filme do que com a história em si.

Enfim, A Bela e a Fera é maravilhoso e já quero ver de novo pra prestar mais atenção nos detalhes porque a primeira vez foi muita emoção!

Se quiser ver o trailer, tem nesse post aqui.

#5filmes de Quentin Tarantino!

Quentin Tarantino é um dos meus diretores preferidos. Seus filmes possuem diálogos intermináveis – e algumas vezes meio sem sentido – e sequências sangrentas. Além disso, ele sabe como ninguém construir personagens fortes e marcantes, sejam eles homens ou mulheres. Ah, e sempre trabalha com atores incríveis. Seus filmes são filmes inteligentes e esteticamente muito bem feitos, que renderam muitos prêmios. Na tag #5filmes de hoje trouxe os que mais gosto do diretor.

1 – Django Livre

Amo Django! Foi o primeiro filme do Tarantino que eu vi no cinema, e que filme! Tem crítica aqui. Django é um escravo liberto que volta à fazenda em que trabalhava para libertar sua esposa. No elenco estão Jamie Foxx (Django), Kerry Washington, Leo DiCaprio, Samuel L. Jackson e Christoph Waltz.

2 – Bastardos Inglórios

Bastardos se passa durante a Segunda Guerra Mundial, onde um grupo de soldados judeus norte-americanos tramam um atentado ao comando nazista. Ao mesmo tempo, uma judia dona de um cinema trama uma vingança. Conta com Brad Pitt, Diane Kruger e Christoph Waltz, entre outros, no elenco.

3 – Os 8 Odiados

Que experiência incrível assistir a esse filme no cinema! Nesse faroeste, Samuel L. Jackson é Major Marquis Warren, um caçador de recompensas que se refugia de uma tempestade em uma espécie de choupana, com várias figuras estranhas. No elenco estão Channing Tatum, Kurt Russel e Jennifer Jason Leigh, entre outros. Também tem crítica, aqui.

4 – Kill Bill: Volume 1

Em Kill Bill, Uma Thurman é uma noiva que acorda de um coma de 4 anos e parte em busca de vingança contra quem tentou matá-la. Tem o Volume 2 (que ainda não vi), e o Volume 3, que foi anunciado!

5 – Pulp Fiction

1994. Esse é um dos mais clássicos do Tarantino. As vidas de dois assassinos de aluguel, a esposa de um gângster e um boxeador se encontram, criando situações bizarras. Não sei nem explicar direito! haha No elenco: Uma Thurman, John Travolta, Bruce Willis, Samuel L. Jackson, entre outros.

Quentin Tarantino é um apaixonado por cinema e revela isso nos seus filmes. Deu até vontade de rever alguns!

Dica de série: “Chef’s Table” do Netflix

A dica de hoje é de uma série sobre comida – quem não ama?

Chef’s Table é uma série documental original Netflix. Cada episódio conta a história de um chef de cozinha, seu processo criativo e como ele interferiu ou revolucionou a culinária. Já assisti a alguns episódios e tô apaixonada! É cada imagem maravilhosa dos pratos que dá até água na boca.

A série vem desde 2015 e tá na 3ª temporada. Os episódios são independentes e em torno de 50 min, o que torna mais fácil pra assistir. Ah, e cada temporada tem 6 episódios! Dá pra ver tudo rápido haha.

Pra quem gosta de culinária e se interessa pelo processo criativo por trás de diferentes pratos, super recomendo!