Roteiro Bento Gonçalves – dia 2

O segundo dia de viagem em Bento Gonçalves teve ovelhas, muita comida e vinhos! Se você não viu o primeiro dia clica aqui.

Dia 2

Após um café da manhã reforçado na pousada, seguimos para os Caminhos de Pedra, uma estrada que leva esse nome pelas casas feitas de pedra ao longo dela. São várias atrações por lá e dá pra passar o dia, mas passamos a manhã.

Casa da Ovelha

A Casa da Ovelha é uma ótima atração para crianças e como também somos, adoramos! haha Eles têm várias programações durante o período que você passa lá, começando de meia em meia hora.

Começamos pelo “Grande Rebanho”, que é quando eles soltam as ovelhinhas lá do pasto e elas andam no meio da gente. São muito fofas! Depois tem uma demonstração com os cachorros border collies que pastoreiam as ovelhas, degustação dos queijos produzidos por eles, falcoaria, alimentação das ovelhas e dos filhotes.

É uma programação completa, e tudo muito bem explicado pelo pessoal da Casa. Ficamos lá até as 14h debaixo de um sol de rachar, mas eles emprestavam chapéus pra gente sobreviver! Fora os mosquitos borrachudos, mas eles também têm repelente!

Preço: 50 reais adulto, 25 meia

Endereço: Rodovia Linha Palmeiro, 400 – Distrito de São Pedro

Almoço – Restaurante Casa D’Ângelo

Tinha visto sobre o restaurante Casa D’Ângelo no Trip Advisor e anotei para experimentar. Lá é um rodízio de massas, carnes e risottos. Tomamos o vinho da casa e a sobremesa estava incluída no preço do rodízio. Tudo muito gostoso!

Depois do almoço seguimos para Garibaldi, onde visitamos a Chandon.

Vinícola Chandon

Começando os trabalhos nas vinícolas – objetivo principal da nossa viagem -, agendamos para ir na Chandon degustar seus deliciosos espumantes. Ela está no Brasil desde 1973 e é líder no na produção de espumantes de luxo. A visita à fábrica é bem rápida, sendo possível somente ver os tanques de fermentação. Depois passamos à degustação!

No fim levamos o Chandon Passion, rosé delicioso com aromas frutados que lembram pêssego e lichia, elaborado a partir das uvas Malvasia, Moscato e Pinot Noir. Eles aconselham bebê-lo com dois cubos de gelo pra ficar mais refrescante, já quero experimentar!

Endereço: BR 470 (Km 224), Garibaldi – RS.

Preço: A visita é gratuita, mas é necessário o agendamento.

Vinícola Torcello

Depois da Chandon corremos para o Vale dos Vinhedos para ver se tinha alguma vinícola aberta – a maioria fecha por volta das 17h30! – e conseguimos ir na Torcello e a Almaúnica.

Infelizmente não conseguimos fazer a visita, mas provamos vinhos bons na Torcello. Eles trabalham com as uvas Merlot, Tannat e Cabernet Sauvignon para os tintos, e produzem também espumantes e sucos.

Endereço: RS 444, KM 16 – Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves

Vinícola Almaúnica

Como já conhecíamos a Almaúnica, apenas provamos alguns rótulos pra saber qual iríamos comprar.

Recomendo muito o Syrah, que compramos ano passado, e o Quatro Castas, vinho premium da vinícola feito com cortes de Merlot, Malbec, Syrah e Cabernet Sauvignon. Dessa vez levamos o Merlot Reserva, muito saboroso e frutado.

Endereço: RS 444, km 17 – Vale dos Vinhedos

Esse foi o dia 2 do roteiro de Bento Gonçalves! Não jantamos porque almoçamos tarde, então fomos dormir cedo para aproveitar o terceiro dia de viagem. Espero que tenham gostado das dicas!

Roteiro Bento Gonçalves – dia 1

Lugar bom a gente volta né? Depois de conhecer a Serra Gaúcha em uma viagem maravilhosa ano passado, resolvemos voltar e ficar só na cidade de Bento Gonçalves, a terra do vinho brasileiro. Passamos 4 dias do último feriado conhecendo melhor a região e ficamos mais encantados ainda!

Dia 1

Chegamos em Porto Alegre por volta de 11h da manhã e pegamos o carro – que já estava reservado – no aeroporto. Dica: as empresas de locação de carros sempre têm convênios com cartões de crédito e seguros para descontos.

Nos hospedamos na pousada Villa Tuiuty, um lugar delicioso e com ótimo atendimento – recomendo! Ela não fica dentro da cidade de Bento Gonçalves, e sim no distrito de Tuiuty (e do lado da vinícola Salton).

Almoço

Almoçamos na estrada, no restaurante Di Paolo (falei sobre ele no post sobre os restaurantes da Serra Gaúcha). Mas resumindo, o Di Paolo é uma rede tradicional da região com comida italiana muito gostosa. O preço é fixo e a comida é à vontade. Tem sobremesa incluída e o vinho da casa é delicioso.

Endereço: BR 470 km 221 (ao lado da Pousada Castello Benvenutti), Garibaldi.

Chegamos na pousada exaustos e dormimos! haha Não estava nos planos, mas estávamos precisando descansar.

Jantar

O jantar foi na Pizza Entre Vinhos, pizzaria deliciosa com uma proposta muito legal de carta de vinhos: as garrafas ficam expostas e você vai andando pela pizzaria escolhendo o que vai beber. Escolhemos o Reserva Teroldego da vinícola Don Guerino, um tinto seco muito gostoso.

A Pizza Entre Vinhos fica embaixo do restaurante Mamma Gema, que fomos ano passado e voltamos esse ano!

Endereço: Vale dos Vinhedos – RS 444, km 18

Horários: de terça a sábado a partir das 19h

O primeiro dia foi curtinho, mas já com dicas gostosas! Aguardem os próximos posts sobre a viagem a Bento Gonçalves que tem bastante coisa!

Templo Zu Lai em Cotia, um pouco de paz pertinho de São Paulo

No último fim de semana visitamos o Templo Zu Lai em Cotia, a 30 km de São Paulo. Já estava querendo ir lá há um tempo, já que é um passeio diferente de tudo que já fiz e tenho muita curiosidade sobre o budismo.

O Templo Zu Lai é o maior templo budista da América Latina, e foi inaugurado em 2003. Lá tem salas de meditação, um café, um restaurante vegetariano, um jardim lindo e um museu que conta um pouco a história do budismo. O templo conta também com um salão onde são realizadas cerimônias maiores, e oferece cursos de meditação, Tai Chi, entre outros.

Em frente à sala principal há um local para colocar incensos (como as velas na igreja católica) e fazer um pedido. Depois você pega um papelzinho com uma mensagem. A minha foi tudo o que eu precisava no momento. <3 Foi uma experiência muito boa visitar o Templo Zu Lai, saí de lá mais tranquila!

Horários e preços

O estacionamento e a entrada são gratuitos. O restaurante vegetariano oferece almoço por 30 reais aos sábados, domingos e feriados.

Na 2ª feira o Templo Zu Lai fica fechado, de 3ª a 6ª feira abre das 12h às 17h e sábados, domingos e feriados das 9h às 17h. Mais informações no site!

É um local de paz e tranquilidade, definitivamente um ótimo passeio pra quem busca relaxar. A gente sai de lá até mais leve!

Um dia em Belém – Lisboa

Belém é um bairro bem tradicional para turistar em Lisboa por conta dos monumentos Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos, além do Mosteiro dos Jerônimos. Mas o mais legal – e gostoso – de lá é o famoso Pastel de Belém! Eu e minha irmã passamos um dia passeando por Belém e ficamos mortas de tanto andar.

O visual é lindo, pois Belém fica na beira do rio Tejo. Pegamos um elétrico (bonde) pra ir até lá e foi super fácil. Os monumentos são super pertinho um do outro e dá pra fazer tudo a pé.

Padrão dos Descobrimentos

O monumento homenageia os descobrimentos portugueses da expansão marítima de 1500, e conta com estátuas de Pedro Álvares Cabral, Luís de Camões e Vasco da Gama, entre outros. O Padrão foi inaugurado em 1940 e conta com um mirante lá em cima. Subimos e a vista é linda (e custa 5 euros).

Torre de Belém

A Torre de Belém era inicialmente um forte para defesa do Rio Tejo e já tem mais de 500 anos. É possível entrar e eu amei o passeio, a torre é incrível!

O bilhete individual custa 6€, mas você pode comprar o combinado para visitar a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerônimos por 12€ (no site tem outras opções de lugares e preços).

Mosteiro dos Jerônimos

A construção do Mosteiro dos Jerônimos começou em 1501 e terminou no século seguinte dada a grandiosidade do projeto – só a fachada tem 300 metros! É um dos lugares mais lindos que já fui, vale muito a pena visitar.

Museu Coleção Berardo

Também é possível visitar o Museu Berardo, de arte moderna e contemporânea. Lá tem obras de grandes nomes da arte como Andy Warhol, Salvador Dalí, Francis Bacon, Picasso, entre outros. Quando fui a exposição temporária era de cartazes de propaganda da Segunda Guerra Mundial. Incrível! Dica: a lojinha do museu é mara!

Entrada: 5€; gratuita aos sábados.

Pastel de Belém

Para finalizar o passeio, a passagem pela confeitaria Pastel de Belém é obrigatória (tanto que fomos lá duas vezes durante a viagem)! Ele é nada mais que o pastel de nata português, mas com alguns ingredientes secretos que tornam o sabor único. Recomendo!

Tirar um dia pra visitar Belém é fazer aquele passeio bem turistão mesmo, e vale muito a pena!